30 novembro 2005

 

Igreja quer seminaristas com sexualidade madura

A formação dos que se preparam para o sacerdócio está no centro do novo documento da Santa Sé, publicado esta terça-feira. A ?Instrução sobre os critérios de discernimento vocacional a respeito das pessoas com tendências homossexuais em vista da sua admissão ao seminário e às Ordens Sagradas?, da Congregação para a Educação Católica (para os Seminários e as Instituições de Estudos) gerou uma onda de interesse nos meios de comunicação social de todo o mundo por causa da não admissão ao sacerdócio de candidatos com tendências homossexuais.Apesar de ser um documento relativamente curto, esta versão agora apresentada (pedida por João Paulo II nos anos 90, antes dos escândalos relacionados com abusos sexuais nos EUA) tem quase tanto espaço de texto como de notas, relativas a uma série de citações de documentos papais, conciliares e da Santa Sé sobre esta matéria. Essa é a chave da questão: a Instrução mais não faz do que reforçar a tradicional posição de prudência nesta matéria, expressa várias vezes pela hierarquia da Igreja.O documento dá uma grande importância à maturidade sexual e afetiva dos candidatos ao sacerdócio, valorizando esta dimensão da vida humana. Os seminaristas com maturidade afetiva serão capazes de ?uma correta relação com homens e mulheres? de modo a desenvolver o sentido de paternidade espiritual que caracteriza, obviamente, a figura do padre na relação com a comunidade eclesial que lhe é confiada.Nesse sentido, a Santa Sé espera que aqueles que vão ser colocados à frente das comunidades cristãs sejam pessoas maduras e nesse sentido nem sequer se discute a ?castidade? dos candidatos, mas sim as tendências ?profundamente enraizadas? ou mesmo atos homossexuais.Ao contrário do que foi badalado, o texto não exige uma ?pausa? de três anos nos referidos atos, mas explica que é possível, ao longo do processo de amadurecimento pessoal e sexual, que as pessoas tenham tido uma experiência que tenham, definitivamente, superado. Para a Santa Sé, é fundamental que não se perca a identificação sacramental do ministro ordenado com Cristo ?Cabeça, Pastor e Esposo da Igreja?.A nova Instrução sublinha a responsabilidade dos confessores e dos diretores espirituais no processo de discernimento dos seminaristas, assegurando-se de que não existem ?perturbações? que sejam incompatíveis com a ordenação. No texto refere-se que a questão da homossexualidade é abordada com mais urgência por causa da ?situação atual? e que não se devem subestimar as ?conseqüências negativas? da ordenação de homossexuais, lembrando que os mesmos têm dificuldades em manter uma ?relação correta? com homens e mulheres

Comments: Postar um comentário



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?